Arquivos da categoria: Cubiu

Fruta – Cubiu

Nome da fruta: Cubiu

Nome científico: Solanum sessiliflorum  Dunal

Família botânica: Solanaceae

Categoria:

Origem: Amazônia ocidental

Características da planta: Arbusto escandente de até 2 metros de altura. Folhas grandes, de forma muito variável, podendo atingir mais de 20 cm de comprimento. Flores grandes e amareladas.

Fruto: Tipo hesperídio, globoso a alongado, de 7 a 10 cm de diâmetro, de coloração amarelo-alanjado até avermelhado quando maduro. Polpa amarelada, aquosa, ácida, envolvendo muitas sementes.

Frutificação: Verão, porém o ano todo quando cultivado

Propagação: Semente ou propagação vegetativa

Não se assuste o observador com a aparência agressiva das folhas deste arbusto: seus espinhos longos, se bem esquivados, não hão de impingir riscos a quem quiser alcançar a fruta, o que certamente vale o esforço.

Se não pelo sabor, pouco especial talvez, mas agradável, ao memos pela riqueza nutritiva que o cubiu oferece. Sabe-se que é fruta muito rica em ferro, sendo fonte de vitamina B e pectina. Hoje, o cubiu é, inclusive, muito cobiçado por laboratórios farmacêuticos de diversas partes do mundo, para a extração de diverasas partes ativas na produção de medicamentos para o controle do colesterol.

É preciso, no entanto, cuidado para que não seja confundido, pois o cubiu, cobió ou cúbio varia muito de forma – redonda, achatada, quinada, cilíndrica ou cordiforme – e no tamnaho.

O cubiu é fruto da família das Solanáceas, à qual pertencem também o camapu, o tomate-de-árvore e a “naranjilla”, entre outros. Inicialmente verde, passando a amarelo quando maduro até se tornar marrom-avermelhado, o cubiu é originário da Amazônia e frequente nos estados do Amazonas e do Pará. Geralmente, nessas localidades, é produzido em escala doméstica.

No entanto, já é comum mencionarem-se as potencialidades da fruta no cenário da agricultura moderna, considerando-se tanto a rusticidade e a boa capacidade de produção desse arbusto como a gama de usos que a fruta possibilita. No interior de São Paulo, por exemplo, começam a se constituir plantios comerciais de cubiu, que, por ali, vem sendo identificado com o nome de maná.

Além do potencial de suas propriedades medicinais, o cubiu pode ser consumido ao natural ou na forma de sucos, doces e geléia, esta última utilizada em pratos sofisticados, como acompanhamento para carnes vermelhas, frango ou peixes. Por tudo isso, trata-se, seguramente, de uma fruta que pode contribuir para a melhoria da dieta alimentar das populações de baixa renda no país.