Arquivo da tag: kinkan

Fruta – Laranja Kinkan

Nome da fruta: Laranja Kinkan

Nome científico: Fortunella japonica (Thumb.) Swingle

Família botânica: Rutaceae

Categoria:

Origem: China

Características da planta: Árvore geralmente de até 5 metros de altura, muito ramificada. Folhas verde-escuras e brilhantes. Flores pequenas, alaranjadas, agrupadas nas axilas das folhas.

Fruto: Tipo hesperídio, oval, de 4 a 5 cm de diâmetro, de coloração amarelo-avermelhada, casca lisa. Polpa envolvendo numerosas sementes.

Frutificação: Inverno

Propagação: Semente

Também conhecida no Brasil de antigamente como laranjinha doce ou laranjinha-da-china, embora seja proveniente do Japão, a laranja kinkan é uma pequena e bonita fruta de apenas 4 cm de diâmetro. Diferentemente das outras laranjas, a kinkan não pertence ao gênero Citrus, além de poder ser comida com casca e tudo, de uma vez só. A polpa farta e suculenta enche a boca de simultânea acidez e doçura.

A fruta serve para todo tipo de doces e bebidas, inclusive licores e vinho quente. O doce em calda ou cristalizado, feito com a casca inteira e oca de polpa, é uma especialidade de algumas comunidades de imigrantes japoneses no Brasil, que ainda mantêm as tradições do seu país.

Fruta lucrativa para os produtores, principalmente de São Paulo, a kinkan requer manuseio delicado e cuidados bastante especiais, sendo planta extremamente frágil a imprevistos climáticos, como falta ou excesso de chuva.

Fonte: Livro Frutas Brasil Frutas

Cítricos para doce

Cítricos para doce

Algumas das frutas da família das Rutáceas, especificamente entre aquelas do gênero Citrus, apresentam características que as deixam particularmente mais apropriadas para a produção de doces, ao invés do consumo natural.

Em geral, os cítricos próprios para doce são frutas mais azedas do que as que se prestam ao consumo ao natural, apresentando uma relação entre polpa e suco inferior a estas. Talvez seja justamente o azedo do caldo, associado à qualidade da polpa e à casca porosa repleta de sumo, o que faz com que essas frutas combinem muito bem com o açúcar, que realça o seu sabor ácido. Dessa forma, tornam-se frutos excelentes para o fabrico de doces em calda, cristalizados, compotas, conservas, gelatinas, geléias, cremes, pudins, musses, bons-bocados, bolos, biscoitos, tortas, coberturas, recheios, entre tantos outros.

Um doce de laranja, por exemplo, não costuma ser feito com aquelas mesmas laranjas de mesa tão comuns que se comem diretamente: a doce, a baía ou a seleta. Na verdade, esses doces são feitos com outras frutas popularmente menos conhecidas, como a laranja-da-terra, a cidra ou a kinkan. Uma fruta emprestando as suas qualidades em nome de outras.

Nos cítricos próprios para doce, a parte branca que se encontra entre a casca e os gomos de polpa sucosa é mais espessa, podendo ser mais fina ou grossa, dependendo da variedade da fruta.

Em geral, é a partir dessa casca grossa, cuidadosamente separada da polpa com uma lâmina afiadíssima, que os doces são preparados, sobretudo os de compota ou em calda. Também é a partir daí que se fazem os doces em massa ou de corte, ainda que neles se aproveite uma parte da polpa, dando-lhes mais sabor. Em todos eles, o bagaço não costuma se usado, o que seria um desperdício no caso das frutas de mesa, que têm no suco o seu melhor aproveitamento.